Em cosmoética, a maxifraternidade é a condição interconsciencial, universalista, mais evoluída, fundamentada na fraternidade pura da consciência auto-imperdoadora e heteroperdoadora, meta inevitável na evolução de todas as consciências.

Pela comunicologia, eis uma expressão equivalente para maxifraternidade: megafraternidade (brotherhood, sisterhood).
Pela parassociologia, a maxifraternidade é o fim ou um dos objetivos básicos da existência da grupalidade interconsciencial.
Pela holochacralogia, as energias interconscienciais não são exauridas, dissipadas ou extintas, mas purificadas em qualidade e intensidade, dentro dos princípios fundamentais que regem a evolução das consciências, incluindo aí o encapsulamento parassanitário, a holocarmalogia e a cosmoética.
Pela intrafisicologia, as energias conscienciais independem do espaço físico das manifestações e do tempo para atuar.
Na paraprofilaxia, podemos mudar tão somente a qualificação de nossas energias conscienciais em relação aos outros.
Pela extrafisicologia, a purificação evolutiva das energias interconscienciais não separa, mas une mais intensa e profundamente, diminuindo a distância ou os gaps entre as consciências.
Pela pensenologia, as consciências se atraem pelos pensenes, incidindo mais aí a intenção e a vontade da consciência sobre 1 dos 3 elementos indissociáveis dos pensenes: o pensamento ou ideia, o sentimento ou emoção e a energia consciencial pessoal.
Pela conscienciometria, a rigor, será sempre tolice ou inexperiência uma conscin afirmar que vai abandonar alguém. Os caminhos do grupocarma se entrecruzam de modo inevitável e ninguém se distancia. O universalismo é meta para todos.
Pela evoluciologia, as consciências evoluem sempre juntas. Ninguém, racionalmente, se separa. Ninguém perde ninguém.
Pela mentalsomática, é inteligente entender, amar e perdoar a todos, o quanto antes, porque não há outra alternativa evolutiva para nós e entre nós, consciências um pouco mais lúcidas.
Em holomaturologia, a maxifraternidade é um princípio descoberto e auto-imposto racionalmente, pouco a pouco, pela consciência através da evolução do seu autodiscernimento.