Ressoma

RESSOMATOLOGIA

            A Ressomatologia é o campo científico ou especialidade da Conscienciologia que estuda o renascimento somático da consciex (consciência extrafísica) que passa para a condição temporária de conscin (consciência intrafísica), ou sai da extrafisicalidade para a intrafisicalidade (VIEIRA, 1977, p. 188).

            A ressoma é o renascimento somático ou intrafísico das energias conscienciais (novas conexões energéticas no psicossoma ou do holochacra) da consciex no corpo humano (soma). Ressomar é o mesmo que renascer na Terra ou manifestar-se por algum tempo na intrafisicalidade (VIEIRA, 1977, p. 188).

            As relações de convívio entre as consciências representam parte essencial do processo evolutivo individual. São parte integrante da natureza humana e permeiam toda a jornada da consciência, seja na dimensão intrafísica, desde a concepção até a dessoma (morte biológica), seja na dimensão extrafísica, quando a consciência está projetada fora do corpo ou mesmo após a morte do corpo biológico.

            Renascemos e dessomamos inúmeras vezes para aprendermos a conviver com diversos tipos de consciências. Nossa missão é experienciar de modo teórico e prático (teático), os 5 estágios do curso grupocármico propostos por Waldo Vieira (1932-2015), descritos no tratado 700 Experimentos da Conscienciologia, elencados de forma didática, objetivando retificar os erros, os equívocos, os enganos e as omissões deficitárias realizados no percurso seriexológico (série de vidas sucessivas) (V. Vieira, Waldo; 700 Experimentos da Conscienciologia; Instituto Internacional de Projeciologia; Rio de Janeiro, RJ; 1994; p.626):

  1. Interprisão: a conscin nesta fase vive presa aos marginais da evolução, aos companheiros antissociais. Só tem certezas absolutas sobre o que faz. Sente-se com direito a tudo aquilo que demanda. Não aceita heterocríticas. Esta postura gera: os grupos de extermínios; as máfias; as inquisições; os técnicos em torturas humanas; as guerras, os terrorismos e genocídios.
  2. Vitimização: em contrapartida, na fase da vitimização, as dúvidas quanto aos acertos de suas escolhas são frequentes. De líder, passa a ser vítima da própria máquina antissocial que ajudou a estruturar em tempos remotos.
  3. Recomposição: a conscin deixa de ser vítima direta para atender suas antigas vítimas. Nesse período a conscin lúcida busca desensinar o que ensinou errado.
  4. Libertação: É a fase da libertação do egocentrismo. A conscin nesse estágio vivencia maior alívio frente às pressões assediadoras. Desenvolve senso de humanidade, fraternidade e universalismo.
  5. Policarmalidade: A consciência plena de lucidez já não pede mais para si. Ao seu olhar, a Terra se torna uma escola evolutiva, não deseja apenas aprender, mas ensinar o que pode. Descobre e desenvolve a tarefa do esclarecimento (tares), a holomaturidade, a Cosmoética, a condição de desperticidade e, por fim, o policarma vivido.

            Através da ressoma conseguimos, de fato, reencontrar antigos colegas que estão em diferentes estágios evolutivos e temos a oportunidade de reescrever energeticamente as assinaturas pensênicas erradas do passado. Ou seja, temos a chance de conviver sadiamente.

            Diante desse contexto, podemos avaliar a estadia intrafísica como ferramenta evolutiva, pois tem o fito de otimizar a convivialidade e desencadear a catarse cosmoética. Esses fatores são inevitáveis para a autoevolução.

            Na atual realidade a qual vivemos (Ano-base: 2018), o planeta Terra está exposto diariamente a conflitos de todas as ordens e natureza, resultado da imaturidade das consciências.

            Entretanto, vale explicitar que cada consciência tem o poder e a autonomia de escolher aplicar princípios cosmoéticos no convívio pessoal e grupal. Nenhuma consciência é escrava das tendências anacrônicas e das imaturidades de modo geral. A consciência tem o poder de mudar os pensamentos, as intenções, as emoções, as energias e os comportamentos através da vontade inquebrantável.